Como um Cristão Encara as Crises – Pr. Isaltino Gomes

Como um Cristão Encara as Crises

Meus irmãos, tende por motivo de grande gozo o passardes por várias provações, sabendo que a aprovação da vossa fé  produz a perseverança; e a perseverança tenha sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, não faltando em coisa alguma. (1:2-4)

Por que o homem bom sofre? Esta questão tem desafiado as mentes mais argutas e os corações mais piedosos. O drama de Jó trata desse tema, o sofrimento de um homem bom e puro. 0 profeta Habacuque também entrou em profunda crise espiritual e existencial, porque via a injustiça aprofundar-se, o homem desonesto e iníquo prosperar e o homem decente e trabalhador ser oprimido e esmagado. A questão é tão séria que tem levado alguns a perderem a fé na providência divina, desviando-se assim do evangelho. No Salmo 73, Asafe preocupou-se com o mesmo problema. Chegou, inclusive, a pensar em abandonar a Deus. Ele pensava: Melhor ser injusto do que justo. Talvez a questão se resuma com mais simplicidade na pergunta de um menino numa classe de Escola Bíblica: “Por que Deus não mata o Diabo a pauladas e acaba com o problema?”

Dificilmente poderemos responder à questão do sofrimento do justo. Na realidade, este não é o nosso propósito aqui. E preciso registrar algo, no entanto: os cristãos têm crises pessoais, e muitas vezes crises violentas.

Prolifera em nossos dias uma pregação falsa em nossas igrejas e que assim ensina: Siga a Cristo e seus problemas se acabarão.

Muitas pessoas dão crédito a tal ensinamento, envolvem-se com Cristo, passam por tribulações e se desorientam por completo.

Ouvi esta oração em um programa radiofônico evangélico: “Senhor, abençoa o teu povo, multiplicando o dinheiro de suas carteiras.” Isto não é o evangelho. E superstição. É confundir o evangelho com magia. Seguir a Cristo não é ter um seguro contra os problemas. Os cristãos têm problemas. E como têm!

“Tende por motivo de grande gozo o passardes por várias provações.” 0 que Tiago quis dizer com sentir-se alegre em meio às provações? A Bíblia na Linguagem de Hoje traduz este versículo assim: “Sintam-se felizes quando passarem por todo tipo de aflições.” Como pode a aflição trazer felicidade?

Nosso estilo de vida está todo orientado para o prazer. Tudo que produza prazer deve ser tentado. Nossa sociedade é hedonista e colocou o prazer como o bem máximo a ser alcançado.

Tudo o que é desagradável deve ser evitado. Há, em certo sentido, um paralelo dos dias em que vivemos com a sociedade mostrada em O Admirável Mundo Novo, de Huxley: as asperezas e dificuldades devem ser evitadas. Ser feliz, eis a aspiração máxima de todos nós! Os livros com títulos prometendo a apresentação de um segredo infalível, ensinando como viver de maneira agradável, sempre vendem bem. Assim, não fica muito interessante receber os problemas com alegria. Na realidade, não ter problemas é que é bom.

A ótica de Tiago é realmente extraordinária. “A aprovação da vossa fé produz a perseverança.” A Bíblia na Linguagem de Hoje traduz o versículo assim: “Quando sua fé vence essas provações, ela produz perseverança.” Pense bem: “Quando sua fé vence…” As dificuldades existem para serem vencidas. É possível vencê-las, não no poder da carne, mas no poder do Espírito, na força da fé. É nas provações que o caráter se enrijece e se torna mais forte. Quando houve o conflito militar entre a Argentina e a Inglaterra, pela posse das Ilhas Malvinas, culminando com a vitória inglesa, um analista de política internacional apresentou, entre as muitas razões da vitória inglesa, esta: Os ingleses têm tradição de guerra e de lutas. Há séculos que eles estão lutando em algum lugar. Estão acostumados a guerrear. Seus soldados não eram inexperientes, mas sim profissionais, homens traquejados.

Boa lição para nós, esta! As dificuldades vencidas nos fortalecem, para que enfrentemos outras que surjam, com mais capacidade e confiança.

“Produz a perseverança” . As versões mais antigas traduzem perseverança como “paciência” . A palavra grega usada é hypomoné, que significa “ação de perseverar, sofrer, suportar calma e heroicamente” . Não é, no entanto, uma atitude passiva.

Pelo contrário, é uma atitude dinâmica. Procuremos compreender o seu sentido. Hypomoné era uma palavra pouco usada no grego clássico, aplicada ao período de duração de um trabalho cansativo que alguém desempenhou sob pressão. Usava-se também essa palavra para adjetivar uma planta que, mesmo sob condições ambientais desfavoráveis, conseguia viver. O verbo derivado de hypomoné veio a significar “suportar, resistir” , em vista desses sentidos.

Em Tiago 1:3, a palavra “perseverança” é usada em conexão com a fé, sendo um produto da fé ativa. Somente a fé pode produzir perseverança. Isto porque perseverança não é o estoicismo humano, a manifestação de um caráter indômito por questão de temperamento. Perseverança não é também a manifestação de derrotismo, do tipo “deixa estar para ver como é que fica” . Tampouco é um fatalismo resignado. Hypomoné é aquela virtude que faz um homem continuar avançando, mesmo sob golpes. E a fé provada que produz hypomoné. Quando enfrentamos uma crise e a superamos, tornamos nosso caráter mais perseverante.

“Para que sejais perfeitos e completos, não faltando em coisa alguma” . O termo “perfeitos” merece explicação. Não significa uma ausência de defeitos. A palavra grega usada é téleioi, plural de téleios, que pode apresentar vários sentidos: perfeito, adulto, maduro, plenamente desenvolvido. Nos papiros antigos, esse termo era usado para designar a maioridade civil das pessoas, que se tornavam, assim, responsáveis. Era usado também para frutos maduros e para mercadorias em boas condições ou completas. Esta explicação permite-nos entender as exortações bíblicas a que sejamos perfeitos, principalmente a de Jesus em  Mateus 5:48, que diz: “Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai celestial.” Há um nível de perfeição, de maturidade, para Deus, a absoluta. Há também um nível para nós. Evidentemente não se diz que devemos ser como Deus, mas que devemos alcançar o nível que de nós se espera. Entendemos, então, que na medida em que vamos vencendo as provações e fortalecemos a nossa fé, vamos nos tornando adultos espirituais.

Fugir das lutas não conduz à maturidade. Desviar-se ou ignorar os problemas, também não. Mas, enfrentá-los e vencê-los, isto sim, conduz a um estado de adultos, tanto espiritual quanto emocionalmente.

“Não faltando em coisa alguma” . A Bíblia na Linguagem de ‘Hoje verte esta expressão como: “sem faltar nada” . Este é um aspecto desafiador. Por que tantos cristãos vivem, hoje, vidas incompletas, onde falta tanto? Porque o enfoque da vida cristã está errado. Muitos há que foram atraídos para o evangelho por causa das bênçãos que ele pode dar-lhes, por causa do que podem receber de Cristo. Na realidade, isto não está de todo errado. Mas, o trágico é quando a vida cristã não é vista como uma luta, como um engajar-se com Cristo, e sim como fuga.

Como conseqüência, temos muito de um cristianismo piegas, meloso, de gente que transformou a igreja em um gueto onde se pode esconder do mundo e se refugiar das dificuldades. Oculta-se assim o verdadeiro cristianismo, que é forte, desafiador de estruturas de um mundo decadente, onde o cristão é, não um pedinte, mas um herói, um lutador, um agente transformador de uma sociedade corrompida. A preocupação maior de um seguidor de Cristo não é esconder-se do mal, mas combatê-lo, onde quer que ele se encontre. Nosso Senhor manifestou-se para destruir as obras do Diabo. (I João 3:8).

O “sem faltar nada” não é, evidentemente, uma promessa ou uma exortação cujo escopo se limita à realização material. 0 cristianismo surgiu exatamente entre a classe social menos favorecida. Entre os destinatários de Tiago havia um grande contingente de pobres. Uma pessoa firme em Cristo, enfrentando suas crises pessoais e vencendo-as, tornar-se-á cada vez mais uma pessoa equilibrada e segura, a quem não faltará ânimo para enfrentar as dificuldades da vida, sem desespero.

Aprendemos que o evangelho não é para se viver choramingando pelos cantos, lamuriando os problemas, constantemente derrotado, com tropeços aqui e acolá. Não é também um par de muletas para se arrastar pela vida, nem ainda um narcótico para amenizar as dificuldades que enfrentamos. 0 evangelho é um chamado para a maturidade, para lutar, para vencer e para crescer. E quando um servo de Cristo compreende o que Tiago quer dizer, descobre que a cada batalha vencida em sua vida está mais fortalecido em seu caráter. Fracos e indecisos nunca entraram para a história. O que caracteriza os heróis da fé em Hebreus 11 é exatamente sua coragem em permanecerem firmes, como quem vê aquele que é invisível (Heb. 11:27). O cristão não pode viver como um derrotado. Por isso, se você tem problemas e sofre, não entregue os pontos. Enfrente suas dificuldades com fé no Senhor. Nas lutas travadas está a firmeza.

As dificuldades e os sofrimentos fazem parte da vida. Não podemos impedi-los de desabarem sobre nós. Mas, superá-los é descobrir a beleza da vida e crescer emocionalmente como cristão.

Extraído do livro: Tiago nosso contemporâneo  – Pr. Isaltino Gomes (JUERP)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s